O Projeto

Descrição sumária

O “MAPEAR - Mapeamento ambiental colaborativo da qualidade do ar e ruído”, propõe a implementação de um projeto piloto, iniciado em Maio de 2020, cujo objetivo é a promoção da literacia socioambiental, na comunidade escolar, sobre os impactes do ruído e da poluição do ar nos metabolismos urbano e humano, cuja mitigação e eliminação estão diretamente associados aos ODS «3. Saúde de qualidade» e «11. Cidades e comunidades sustentáveis».

A partir do conjunto de atividades proposto, pretende-se contribuir para uma aprendizagem ativa, inclusiva, colaborativa, interdisciplinar e humanista, de base ecologista e social, dentro do ensino formal, com práticas que reforcem as competências, os princípios e os valores descritos no Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, homologado pelo despacho nº6478/2017 de 26 de Julho, em particular no que respeita às competências soft e hard da sustentabilidade, reflexão crítica, inovação, cidadania e participação.

Para este fim, queremos capacitar professores de escolas do 3º ciclo do ensino básico e secundário, inseridas nas regiões com núcleos da ASPEA (Aveiro, Braga, Bragança, Lisboa, Viseu, Açores), nas temáticas qualidade de ar e ruído, tendo como base dois dos pilares essenciais descritos na Estratégia Nacional de Educação Ambiental ENEA (2020): descarbonizar a sociedade e valorizar o território, seguindo de perto o Objetivo Estratégico Educação Ambiental + Aberta, em particular nas suas medidas #4, #11 e #12.

A referida capacitação baseia-se em estratégias de investigação-ação e educação-ação participativa, passando pela apropriação por parte dos formadores dos núcleos da ASPEA, dos professores e, posteriormente, dos estudantes, de tecnologias open source de monitorização de concentrações de gases, partículas e ruído na imediação das suas escolas e em pontos estratégicos nas suas localidades, nomeadamente em zonas de maior concentração de tráfego automóvel (centro das cidades), nos percursos pendulares de casa para a escola, nos parques e zonas verdes da cidade, entre outros.

Os dados recolhidos, tanto através das campanhas de monitorização, como a partir de técnicas de cartografia colaborativa, irão alimentar uma plataforma online interativa - WebSIG -, com ferramentas como geovisualizador, dashboards e storymaps, que permitirá diagnosticar, analisar e disseminar os resultados, contribuindo para a construção da literacia socioambiental tanto dos formadores e professores como dos estudantes, familiares, e organizações que estarão envolvidas neste projeto.

No seguimento, far-se-á uma análise das informações recolhidas, identificando, para as várias zonas, os impactes ambientais positivos e negativos, dando depois lugar à reflexão sobre as melhores práticas que já existem e às possíveis soluções para os problemas encontrados.

Partindo dos resultados obtidos, um ebook sobre qualidade do ar e ruído será elaborado, que estará disponível no micro-site do projeto, numa secção dentro da página web da ASPEA, e cujas cópias serão distribuídas nas escolas participantes no projeto das regiões dos núcleos da ASPEA e nos órgãos do Poder Local, nomeadamente Juntas de Freguesia e Câmaras Municipais, de forma a potenciar propostas de mudança nas políticas públicas locais, no quadro dos orçamentos participativos municipais.

No final do projeto será organizado um Seminário Nacional de Jovens, no qual serão apresentados os resultados do mesmo, a partir da apresentação de trabalhos realizados pelos alunos e professores. Será também elaborado um documento de propostas de políticas públicas com recomendações e medidas, direcionadas aos órgãos do Poder Local e Central, com base nos resultados e estudos elaborados pela comunidade educativa sobre a gestão ambiental da qualidade do ar e ruído, que será divulgado através dos meios de comunicação social e entregue aos decisores políticos e respectivas organizações.

 

Objetivos principais

O projeto proposto ambiciona introduzir metodologias de investigação-acção nas comunidades educativas, em áreas temáticas ambientais menos desenvolvidas nas escolas, nomeadamente a qualidade do ar e o ruído e, deste modo, incentivar à participação ativa no quotidiano das comunidades e cidades em que as escolas se inserem - trata-se de enraizar a “aprendizagem fora de portas” através do recurso às novas tecnologias ao dispor da ciência cidadã. Por conseguinte, enumeram-se os principais objetivos SMART (específicos, mensuráveis, atingíveis, relevantes e temporais) a atingir:

  • Promover a literacia socioambiental relativamente à qualidade do ar e ruído nas cidades e nas comunidades em que as escolas se inserem, incutindo a sensibilização ambiental em meio escolar, a partir de estratégias de monitorização e mapeamento de dados na metodologia de ciência cidadã, análise de resultados e diagnóstico, proposta e disseminação de boas práticas;
  • Capacitar professores como agentes multiplicadores do MAPEAR;
  • Dotar os professores de ferramentas digitais e de medição que possam utilizar nas suas atividades letivas com vista à promoção de uma consciência crítica e ativa dos alunos no que respeita às questões ambientais aferidas neste aviso, numa aprendizagem fora de portas;
  • Estimular os princípios, competências e valores recomendados pelo despacho n.º 6478/2017, referente ao que se espera que seja o perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória, bem como da Recomendação n.º 1/2020 do Conselho Nacional de Educação, por forma a criar propostas em políticas públicas para a materialização das cidades inteligentes, resilientes e sustentáveis.

 

Equipa técnica

Joaquim Ramos Pinto - Coordenador - Licenciado em Educação do Ensino Básico pela Universidade de Aveiro; Diploma de Estudos Avançados obtido pela Universidade de Santiago de Compostela, onde iniciou doutoramento no âmbito do Programa Interuniversitário de Doutoramento em Educação Ambiental e a frequentar, atualmente, a etapa de tese do Programa de Doutoramento em Educação. Professor em mobilidade ao abrigo do protocolo entre o Ministério da Educação e Ministério do Ambiente, na coordenação de projetos de Educação Ambiental de âmbito nacional, Europeu e CPLP. Integrou a comissão organizadora e científica de várias jornadas, conferências e congressos de Educação Ambiental de âmbito nacional e internacional, onde apresentou várias comunicações. Tem publicados vários artigos em revistas e jornais no âmbito de projetos e investigações que desenvolveu. Atualmente é presidente da Associação Portuguesa de Educação Ambiental.

Vasco Neves - Vice-Coordenador - Doutor em Astronomia pela Universidade do Porto. Licenciado e Mestre em Física. Professor de Física. Tem experiência e competências nas áreas de ensino, investigação e ciência de dados, assim como em hardware open source, automação, análise de dados de sensores e sua calibração. Trabalha em projetos relacionados à economia circular. Voluntário da ASPEA desde 2019.

Ana Cristina Ferreira Neta - Investigadora - Doutoranda em Geografia pelo Instituto de Geografia e Ordenamento do Território-IGOT da Universidade de Lisboa. Co-autora de Manual escolar. Ministra Workshops Lixo Zero. Coordenou a metodologia da Cartografia Social para a Construção da Política Municipal de Educação Ambiental-PMEA de Foz do Iguaçu, Paraná Brasil. Voluntária da Associação Portuguesa de Educação Ambiental-ASPEA desde 2019.

David Ramos Silva - Investigador - Doutor em Ciências e Engenharia do Ambiente pela Universidade de Aveiro. Licenciado e Mestre em Engenharia do Ambiente pela Universidade de Aveiro. Vice-Presidente da ASPEA. Investigador Científico, Consultor e Gestor de Projectos na área das ciências e engenharia do ambiente, educação ambiental e bioenergia. Formador acreditado em Educação Ambiental para a Sustentabilidade pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua de Professores e Educadores.

Vítor Almeida - Técnico especializado - Mestre em Ciências e Tecnologia do Ambiente pela Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Licenciado em Engenharia de Minas e Geoambiente pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Desenvolveu a sua carreira profissional nas mais diversas áreas do Ambiente, com maior incidência em projetos envolvendo Sistemas de Informação Geográfica. Colabora com a ASPEA desde 2015, mais ativamente em projetos associados aos rios, na estruturação e análise de informação georreferenciada.

Laura González Munera - Apoio técnico e à gestão - Licenciada em Ciências Ambientais e Pós Graduada em Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos. Desde 2014, trabalha na coordenação e gestão de projetos e programas de educação, sensibilização e comunicação ambiental nacionais e internacionais na Associação Portuguesa de Educação Ambiental - ASPEA.

Logos_MAPeAR_FA