LIFE INVASAQUA - Espécies Não-indígenas Aquáticas Invasoras dos Ecossistemas de Água Doce e Estuarinos: Sensibilização e Prevenção na Península Ibérica

Categoria: Noticias Criado em quinta, 22 novembro 2018, 10:07

Banner Life Invasaqua

Decorreu durante os dias 13 e 14 de novembro, em Murcia - Espanha, a primeira reunião do Projeto LIFE+ Invasaqua - LIFE17 GIE/ ES/ 000515, que terá uma duração de 5 anos e do qual a Aspea é parceira. 

As espécies não-indígenas invasoras são um dos principais causadores da perda de biodiversidade. De fato, uma análise da Lista Vermelha da IUCN mostra que estas são a segunda causa de ameaça mais comum associada à extinção de espécies.

Espécies não-nativas são aquelas espécies que foram introduzidas por ação humana - intencionalmente ou acidentalmente – para fora de sua distribuição natural passada ou presente. Estas espécies são um problema crescente devido ao aumento das trocas comerciais e ao aumento no movimento de pessoas e bens ao redor do mundo. No que se refere à Península Ibérica, os ecossistemas aquáticos estão especialmente em risco, desconhecendo-se a situação atual das Espécies Exóticas Invasoras (EEI) e o grau de ameaça que representam para o meio ambiente e seus efeitos socioeconómicos. Esta falta de perceção e reconhecimento sobre os problemas das EEI dificulta qualquer política de gestão proposta, mesmo quando os dados sobre invasões e impactos aquáticos estão disponíveis e detalhados. Assim, o principal problema reside na falta de informação-chave para melhorar a consciencialização e gestão.

Durante 2015, a IUCN (União Internacional para Conservação da Natureza) publicou um sistema para classificar as espécies exóticas invasoras com base na natureza e magnitude de seus impactos. O sistema, “EICAT” (Classificação de Impacto Ambiental de Espécies Exóticas), está previsto para ser usado por cientistas, gestores ambientais e profissionais de conservação como uma ferramenta para obter uma melhor compreensão da magnitude dos impactos causados por diferentes EEI, para alertar as partes interessadas (Stakeholders) para as possíveis consequências da chegada de certas EEI, e para priorizar, implementar e avaliar as políticas e as ações de gestão.

Utilizando o esquema EICAT, o programa LIFE INVASAQUA visa abordar o problema das EEI aquáticas na Península Ibérica. O projeto visa abordar as partes interessadas que estejam relacionadas com a chegada e dispersão de espécies exóticas e irá classificar as espécies com base no impacto para o meio ambiente. 

O LIFE INVASAQUA visa atuar globalmente, mas agindo localmente. Portanto, uma estratégia eficiente é necessária para garantir que haja comunicação vertical e horizontal em escalas regionais, nacionais e internacionais para influenciar e aumentar a conscientização sobre a fauna de EEI em habitats de água doce.

Objetivos 

O principal objetivo deste projeto é apoiar a comunicação, gestão e disseminação de informação sobre EEIs, facilitando a partilha de conhecimento sobre soluções e práticas ambientais bem-sucedidas, através do desenvolvimento da cooperação entre as partes interessadas. 

A sensibilização do público ibérico e das partes interessadas para os problemas das EEI nos ecossistemas aquáticos é o principal objetivo deste projeto. Pretende-se ainda, desenvolver ferramentas fundamentais que melhorem um quadro eficiente de alerta rápido e resposta rápida (EWRR) para novas EEI em habitats de água doce e estuarinos. Os objetivos específicos são:

  1. Apoiar o regulamento da UE. Implantação de EEI por meio da interação e criação de sinergias entre partes interessadas e detentores de conhecimento (tomadores de decisão, ONGs e cientistas), por meio de programas de formação, elaboração de Listas Negras de Espécies e desenvolvimento de um trabalho colaborativo com administrações públicas. Melhorar a capacidade ibérica de detecção precoce e resposta rápida (EWRR) aumentando a consciencialização e formação de grupos-alvo (Agentes de Vigilância, Utilizadores de Rios e Estuários, Multiplicadores de Conhecimento, Educadores e Alunos Universitários e Empresas, através da circulação e adopção de códigos voluntários que elaboram os diferentes códigos de conduta europeus sobre as EEIs e desenvolvimento de uma campanha de informação e formação;
  2. Aumentar a consciencialização do público em geral sobre as ameaças causadas pelas EEI aquáticas, gerando o apoio público, por meio de uma campanha maciça de comunicação, envolvendo o público em geral e grupos de interesse relevantes na monitorização de atividades com materiais apropriados de formação e informação. Este é um elemento essencial do projeto devido ao seu potencial para aumentar a consciencialização pública a longo prazo e envolver as pessoas em questões ambientais.

 Entidades Parceiras

Universidad de Murcia

Associação Portuguesa de Educação Ambiental

Agencia EFE S.A.U., S.M.E.

Unión Internacional para la Conservación de la Naturaleza y los

Recursos Naturales

Agencia Estatal Consejo Superior de Investigaciones Científicas

Sociedad Ibérica de Ictiología

Universidade de Évora

Universidad de Navarra

Universidad de Santiago de Compostela

MNCN-CSIC

 

Mais informações acerca do projeto clique, aqui!