Visitas locais mostram o melhor da Educação Ambiental em Lisboa

Visitas

No segundo dia das XXVI Jornadas de Educação Ambiental da ASPEA, foram realizadas visitas locais no âmbito da educação ambiental como processo (trans) formador para a construção de eco comunidades.

Parque_Monsanto

A visita ao Parque Florestal de Monsanto foi orientada por três colaboradoras deste espaço (Cristina Brito, Helena Ramos e Sandra Silva), criado em 1935 pelo engenheiro Duarte Pacheco e que contém, hoje, 900 hectares. Esta decorreu na zona de biodiversidade destinada à educação ambiental, onde se podem observar várias espécies de animais e vegetais. Ficamos também a conhecer a “FITO-ETAR”, uma ETAR biológica que usa o relevo do terreno e processos naturais, como a gradagem e a decantação primária, para o tratamento das águas residuais, assegurando a sua qualidade.

Nesta área silvestre, onde a intervenção humana é mínima, é possível desenvolver projectos associados aos planos curriculares dos alunos, como por exemplo, oficinas de participação, aulas ao ar livre e projectos de hortas, combinando o lazer e a aprendizagem de modo a criar um espaço multidisciplinar. Desta maneira, o Parque Florestal procura apoiar medidas de preservação do ambiente que possam ser implementadas no nosso quotidiano.

Quinta_Olivais

Na visita feita à Quinta Pedagógica dos Olivais os participantes tiveram a oportunidade de conhecer mais sobre o interior da quinta, visitando os animais, a horta, a doçaria, a famosa árvore da “chucha” (onde quem passa por ali pode deixar uma chupeta), a padaria (tiveram, ainda, como brinde um pão misturado com dois tipos de farinha- uma das especialidades da quinta) e a cozinha, onde os alunos podem aprender alguns truques de culinária da antiguidade. A visita permitiu que se percebesse a boa relação que existe entre a quinta e a comunidade, especialmente com as escolas.

Banco_Sementes

Uma outra visita, também com um forte carácter pedagógico, foi à "Germinação do banco de sementes", na Escola Josefa de Óbidos. Esta visita contou com a orientação de professores e dinamizadores do projeto em causa, assim como de alunos do 6° ano que participaram na iniciativa. Foram apresentadas aos participantes da visita as hortas escolares construídas pelos alunos, assim como os materiais utilizados no desenvolvimento e exposição das matérias relacionadas com a reprodução e crescimento das plantas. Para a maioria dos visitantes, o momento chave foi quando a Margarida (aluna participante no projecto) partilhou o seu testemunho de alegria por ter colocado as mãos na terra ao construir aquela horta. A visita terminou com um desafio proposto aos presentes, de adotarem sementes através do banco de sementes e de se comprometerem a tomar conta delas. Foram também oferecidas sementes de manjericão aos participantes, que, certamente, irão dar lugar a uma próspera e saudável planta!

Hortas_Urbanas

A “Rota das Hortas Urbanas” dos Olivais levou os seus participantes a conhecer um pouco melhor quais os lugares destinados à agricultura urbana nesta freguesia. Um dos participantes referiu o facto de, embora já morar aqui há 20 anos, apenas agora ter conhecido muitos dos sítios visitados.

No geral, todas as visitas tiveram como objetivo demonstrar o melhor da educação ambiental que se faz em Lisboa, e inspirar os participantes a criar e apoiar iniciativas semelhantes.

Artigo redigido por Ana Sofia Henriques, Carolina Santos, Carolina Vidal e Núria Rodrigues